Mapa da Carcará Trekking, talvez a primeira e única trekking no calendário em 2020 | Foto: Lidianne Andrade

Tiririca, marimbondo, espinho, abelha… muito mato! E claro que não poderia faltar algumas quedas ocasionadas por algumas pisadas em falso ou pelo piso com bastante folhas molhadas ocasionadas pela chuva! Mesmo diante disso tudo, há alguma problema em eu afirmar que foi arretado ou seria loucura da minha parte? 😳🤘

Como foi arretado voltar a participar de um trekking! Fazia três anos que eu não participava de uma prova desta natureza devido a uma série de fatores, seja para conciliar com as mais variadas provas que a gente realiza cobertura por aqui ou pelo simples fato de tempo realmente, devido a dois anos buscando priorizar mais a formação acadêmica do que a paixão pela corrida.

E claro, bateu a ansiedade da largada. A preocupação de dias antes separar o material de primeiros socorros, a roupa ideal (o que não quer dizer a mais bonita, viu?) e o checklist de itens obrigatórios exigidos pela organização do evento. Ao sair de casa, a preocupação de chegar a tempo na Fazenda Mussaíba com antecedência para não comprometer toda a equipe e receber o mapa da pista e traçar uma estratégia logo em seguida, antes da largada. Juro que neste momento eu pensei, como fiquei tanto tempo longe deste clima?

E a volta não poderia ser da melhor maneira possível, pois ao meu lado estavam não apenas os Papaléguas Runners, equipe no qual me apresentou o trekking, como também tive a oportunidade de ter como navegador o cara que organizou e mapeou a primeira prova que participei. Estar ao lado de Jovaldo Bastos e ouvir suas explicações e estratégias em cada metro atacado foi incrível, uma verdadeira aula prática de como se navegar com tranquilidade e convicção. E correr ao lado do Josinaldo Pereira foi relembrar o quanto é bom correr com uma equipe coesa e que se respeita. Só faltou o Deley Aires, mas ele estava lá demonstrando toda sua paixão pelo esporte organizando a primeira edição da Carcará Trekking. Somando tudo a isso, a chance de reencontrar pessoas que eu só via realmente participando da Trekfit da Odisséia ou na Mini Aventura, da Extremos. Foi realmente muito gratificante!

Por falar da prova, vale revelar a estratégia, afinal, estávamos na pista da categoria de equipes experientes e, para completá-la, era necessário passar por 15 pontos de controle (PCs) e, no caso específico da Carcará Trekking, não havia uma sequência obrigatória. Todas as equipes deveriam passar por estes PC’s no menor tempo possível. E qual foi a nossa estratégia? Roer o osso primeiro para depois saborear o filé no final! Levamos essa estratégia foi tão a sério que, ao invés de começar no estradão plano, a gente atravancou e subiu onde só tinha mato. Por muito pouco não atingimos o pódio, terminando em quarto lugar geral com tempo de 2:57:56.

Se por um lado a Carcará Trekking foi uma prova dura e que exigiu muito de quem esteve presente, por outro, ofereceu para quem participou uma prova com riqueza nos detalhes que impressionou, tanto na pista escolhida, quanto na distribuição dos PCs, dando diversas possibilidades para diferentes estratégias! Em um ano perdido para os orientistas a amantes do trekking e corridas de aventura, a Carcará Trekking surgiu como alento e terminou como mais uma grande opção de evento em Pernambuco e no Nordeste, devido a sua organização e a maneira em que foi executada. E claro, a gente fica na torcida!

Mas e você, participou também da Carcará Trekking Orienteering? Tem algo a pontuar que acabei esquecendo? Comente ai nos comentários! As fotos oficias do evento estão disponíveis através do site www.focoradical.com.br. E claro, não vai perder a nossa cobertura lá em nosso canal no Youtube, correto? Já chega lá e faz sua inscrição acessando www.youtube.com/perunning!

Organização
Percurso
Preço
Avaliação

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here