Início Relato de Provas The Strongs 4ª Etapa: Saiba como foi…

The Strongs 4ª Etapa: Saiba como foi…

1527
0

Neste último domingo fim de semana do mês de novembro rolou a ultima etapa da The Strongs. Realizada em Cruz de Rebouças, na cidade de Igarassu, essa foi a primeira participação do Pernambuco Running na principal Corrida de Obstáculos do norte e nordeste. Uma prova bastante hardcore e que estimula bastante todo o corpo e mente, o que torna bastante gratificante avistar a linha de chegada!

Com o primeiro pelotão inciando a largada às 9 horas. Já nosso pelotão estava marcado para iniciar às 11 horas e, apesar disso, chegamos cedo no local que é realizado a The Strongs para dar tempo de aproveitar o ambiente, arrumar tudo, e chegar com calma no local. E o bacana é que se você quiser é um evento que você pode passar a manhã ou o dia com a família. Enquanto aguardávamos a largada rolava apresentações musicais, espaço para crianças, estacionamento e uma ampla área de convivência para aguardar sua vez na corrida ou fazer aquele lanche no pré ou pós-prova. Já do estacionamento já bate aquela ansiedade. Até o caminho do evento você passa por quase todos os obstáculos como observador. Logo de cara a gente vê um desafio que tem que subir em uma corda e tocar o sino e, logo a frente, o desafio Everest… Mesmo de longe conseguíamos sentir e ver a dificuldade que teríamos que enfrentar quando fosse nossa vez.

E foi dada a largada. Nosso batalhão saiu bem eufórico e partimos em direção ao que nos esperava. Ao todo eram uns vinte obstáculos e que vamos citar aqui os obstáculos que mais nos marcaram. Após o Rio, passamos pelo Balança Mais Não Cai e Everest. Com um pouco mais de dois quilômetros de prova, paramos no primeiro posto de água do circuito e logo chegamos no Labirintite. Esse obstáculo consistia em realizar a travessia em cima de algumas toras de madeira. No caso bastava apenas equilíbrio para vencer o obstáculo. Mais a frente havia vários outros obstáculos que lembrava bastante os treinamentos militares, um deles foi Rastejo Sangrento, o desafio era passar rastejando por baixo de arames farpados. Nem preciso dizer que saímos sujos até a alma né?

Após o Rastejo Sangrento conseguimos passar por outros três obstáculos até chegar ao Passeio do Macaco. Sabe aquelas barras suspensas de playground que costumávamos passar de uma a uma quando éramos crianças? Era tipo isso, só que maior e mais difícil! Embaixo foi colocada uma “piscina de lama” – quem não aguentasse e escorregasse ia até o final na água mesmo. Pois é… uma brincadeira de criança que parece difícil, mas no geral, vimos muita gente ser bem-sucedido nesse obstáculo em específico. Neste obstáculo a gente ficou devendo! Aliás, dos obstáculos que não conseguimos passar foram três: o Passeio do Macaco, a Travessia do Lago e a Corda do Sino. E claro, como não existe moleza na The Strongs pra continuar o desafio tivemos que pagar uma espécie de prenda, nada mais, nada menos que realizar vinte repetições de burpees por cada desafio não cumprido!

Sem sucesso no Passeio do Macaco, passamos por mais três obstáculos até chegar no Half, que consistia em uma rampa, bem parecida com aquelas de skate. O seu desafio ficava por conta da altura e inclinação e que na teoria, bastava subir correndo pra chegar até o topo, mas na prática com o corpo molhado ou cheio de lama dificilmente se consegue sem o apoio de alguém. Foi um obstáculo difícil de superar, mas conseguíamos ver pessoas conseguindo graças a cooperação de outros participantes, o que foi algo bacana de ver a solidariedade de todos se ajudando para fechar a prova. O último obstáculo foi o ToboStrong, o gigantesco escorrego do circuito. Quando chegamos lá a espera estava grande e tinha bastante gente aguardando, fazendo uma fila considerável na espera da vez de cada um… Este talvez tenha sido o obstáculo que mais atrasou e fez o tempo da galera ficar um pouco mais alto.

Se for pra definir a prova em uma palavra, seria SENSACIONAL. Chegar ao campo de corrida, se espantar com a quantidade de obstáculos, superá-los e ver a superação dos outros participantes é algo incrível. O evento como um todo foi bacana, desde a chegada, os obstáculos, atendimento médico de prontidão, organização, os staffs motivando os participantes a todo instante, kit, medalha e o pós-prova com food trucks pra galera. A ideia de uma corrida com obstáculos – trazida para o Brasil espelhando nas que acontecem na Europa – é demais para quem participa e até para quem só vai assistir. Se fosse apontar alguns pontos de melhoria talvez seria mais alguns pontos de água, que serviria não apenas para hidratação como pra limpeza… Tem uma parte do circuito com uma areia fina que dava um nó na garganta e talvez com com um posto de hidratação próximo poderia dar uma sensação de alívio.

E se na nossa primeira participação não fomos tão bem quanto nós queríamos, serve de estímulo para treinar e evoluir para a etapa que vem! E a primeira etapa de 2017 já tem data: será no dia 5 de fevereiro. Até lá serão meses de preparo! Se você também participou, compartilhe com a gente a sua opinião aí nos comentários dê a sua nota no campo “votação do leitor”!

Organização
Percurso
Preço
Avaliação

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here