Início Relato de Provas Circuito Ecorun 2018: Saiba como foi…

Circuito Ecorun 2018: Saiba como foi…

581
6

A Reserva do Paiva foi mais uma vez o ponto de encontro dos trilheiros para mais uma edição da Ecorun. E com percursos de 5, 10 e 21 km uma das mais belas praias do litoral sul de Pernambuco arrastou uma verdadeira multidão, com corredores de vários cantos de Pernambuco e também de estados vizinhos.

O Circuito Ecorun em 2018 teve apenas uma etapa vem ao longo dos anos tendo um importante papel dentro do calendário de corridas em Pernambuco, pois mesmo que talvez este não seja o objetivo, vem apresentando o trail run para diversos corredores que antes, só participavam de provas no asfalto. E esse papel só engrandecer ainda mais o número de adeptos a modalidade e o surgimento de novas provas ao longo do ano. Em 2018 por exemplo, foram pelo menos uns cinco novos circuitos percorrendo as trilhas e belezas naturais do nosso estado.

E, diferentemente do asfalto, as provas em trilhas possuem uma dinâmica totalmente diferente de uma prova urbana, na rua. O percurso é desafiador e o corredor não pode simplesmente ditar o mesmo ritmo que impõe no asfalto. Quem no início da prova deu o famoso tiro nos quilômetros iniciais sentiu falta de fôlego no decorrer da prova, sobretudo após entrar no trecho de estradão, onde o calor estava castigando os corredores. Apesar a largada ter atrasado em quase trinta minutos, ainda sim a prova deu inicio um pouco mais cedo se comparado a edição anterior, que teve sua largada às 8 horas.

Além do ritmo da prova, uma outra característica de um corredor de trilha é a sua postura durante o percurso. Se em uma prova urbana a gente tem que correr com atenção ao que nos acontece ao redor, na trilha essa atenção necessita ser redobrada para que o corredor não acabe saindo do percurso da prova. Muitos até sentiram essa dificuldade, principalmente os que brigavam pelo pódio, entretanto, todo o percurso de prova (para este relato aqui, considerando a prova de 5 e 10 quilômetros) possuíam setas sinalizando o sentido a ser seguido. Talvez para evitar que estes corredores menos experientes em trilha sofressem este tipo de desatenção fosse disponibilizado um número maior de staffs, mas isso fica como sugestão ou melhoria para o ano que vem.

Outro ponto bacana que vem acontecendo a cada ano na Ecorun é a preocupação com os cuidados ambientais. Isso na prática é posto em todas as corridas em trilhas, mas é sempre bom ressaltar, até para que esta prática venha a se tornar um hábito entre os corredores, que participam de provas urbanas. Além de fornecer lixeiras ao longo do percurso de prova e, principalmente próximo aos pontos de hidratação, aconteceu também ao fim da prova uma gincana bacana com aqueles que guardaram seu lixo até o fim da corrida.

Com tanta preocupação com o cuidado com o meio ambiente, faltou apenas que alguns colocarem este conceito de respeito a natureza em prática. Mesmo com toda essa preocupação e avisos antes da largada e dos staffs ainda sim era possível encontrar corredores despejando seus corpos ao longo da via. Foi uma minoria, mas qualquer copinho despejado faz um mal danado, princialmente em uma reserva ambiental como é o Paiva, onde nesta etapa foi possível inclusive avistar uma tartaruga marinha preparando para realizar sua desova.

E sobre o percurso, talvez a maior dificuldade realmente tenha sido o calor do Paiva! Na prova foi possível ver muitos corredores que estavam inscritos nos 21 km desistirem por conta do desgaste da prova. Para esta corrida, fui com um tênis específico para trilha, o Adidas Terrex, mas como o percurso da Ecorun é predominantemente plano e com um grau de dificuldade médio para baixo e sem qualquer risco de chuva durante o dia, um tênis concebido para uso no asfalto não comprometeria o desempenho durante o trajeto. No fim da prova, detalhe bacana para a medalha onde, embora fosse o mesmo modelo para as três distâncias, havia um singelo destaque na marcação de cada distância, enaltecendo o desafio particular de cada corredor que esteve ali.

É bom demais sair do asfalto e voltar a correr em contato com a natureza. Quem nunca correu recomendo experimentar pelo menos uma vez e pelo menos aqui em Pernambuco a Ecorun vem se tornando a porta de entrada para estes novatos que buscam novas experiências. Vale a pena! Em nosso site você pode conferir um calendário com os mais variados tipos de provas, inclusive as corridas em trilhas, que vem a cada ano conquistando seu espaço no calendário pernambucano! E cá pra nós, lugar bonito é o que não falta pra ser desbravado em nosso estado!

E vocês, também participaram? Faltou dizer algo que não pontuamos aqui? Deixa sua opinião nos comentários e sua nota em “votação do leitor”! Durante a semana teremos mais um vídeo mostrando como foi a corrida lá em nosso canal no Youtube! Ainda não tá inscrito? Chega lá e dá aquela força pra gente, clicando aqui! Falta bem pouquinho para atingirmos a marca de mil corredores apaixonados por corrida!

Organização
Percurso
Preço
Avaliação

6 COMENTÁRIOS

  1. No geral foi boa a corrida. Acredito que a principal queixa foi com relação a demarcação do percurso. Também acredito que faltou um número maior de staffs para ajudar na organização/trajeto da prova. Vi muita gente reclamando sobre isso.

  2. Concordo. Eu, por exemplo :Quando estava últimas voltas do trajeto ao adentrar na mata havia uma pedras ali colocadas e, não nativas. Quais, quando ao pisar ela (pedra)não estava firme ,fez com que eu fosse de bruços ao chão ao me desequilibrar caí de bruços. Começaram uma dores abaixo das costelas esquerda , muito forte;. Qual me impediu de continuar com o desafio. Era muita dor abaixo do peito esquerdo me fazendo fica ser ar. E, tive de dar continuidade por não suportar a dor. Encerei a corridas faltando aproximadamente (um Km e meio).da Linha de chegada. Ainda havia tempo bastante de chegar e ser premiada. Mas que dor horrível! Resolvi após meu treinador insistir para parar. E, me restou obedecer.

  3. Precisa melhorar em vários aspectos. Começando pela largada, com quase 30 min de atraso. Deveria largar as 6:30, principalmente pensando nos corredores de 21 K. Sol absurdo !!! Outro, não houve água na conclusão da prova. Ainda, vários corredores cortando o trajeto , na estrada de terra, e os fiscais com cara de paisagem. Deveriam anotar o num. do corredor para desclassificar.
    Que tenha humildade para corrigir os erros, pensando numa próxima !!!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here