Início Relato de Provas 19ª Odisseia Pernambuco: Saiba como foi…

19ª Odisseia Pernambuco: Saiba como foi…

395
0
COMPARTILHAR

Durante este ultimo sábado (9), o município de Goiana, localizado no litoral norte de Pernambuco, recebeu a 19ª edição de uma das mais antigas corridas de aventura do País, a Odisseia Pernambuco. Só pelo nome já se percebe a grandeza poética. Odisseia tal qual o poema épico de Homero, da Grécia Antiga, cuja narrativa descreve as aventuras de Ulisses (ou Odisseu, para os próprios gregos). Bem como na poesia épica de Ulisses datada do século VIII antes de Cristo, a Odisseia Pernambuco vem ao longo de quase duas décadas mostrando-se resistente frente as dificuldades de promover um evento deste porte em nosso estado. E mesmo assim, a cada edição mantém sua excelência, exigindo-se de centenas de corredores a encararem as pistas de 25 e 60 quilômetros, realizando-as com travessia a nado, mountain bike, canoagem, trekking e orientação com mapa.

Antes da largada às 7h30 muita água passou por debaixo da ponte. Para participar de uma corrida de aventura é necessário muito planejamento e companheirismo entre as duplas ou quartetos. Assim como na Trekfit, a Odisseia Pernambuco também divulga o seu local de largada faltando uma semana para o dia da corrida e, além disso, é necessário que os os competidores se encarreguem de levar uma lista de equipamentos obrigatórios para as cinco modalidades. Na véspera da corrida é iniciada o cronograma para que as equipes deixem suas bicicletas na área de transição e, no dia da prova ainda acontece entre as 5 e 7 horas a apresentação das equipes, entrega dos mapas e um briefing para algumas informações que por ventura não contém no mapa e uma delas, foi determinante para formular minutos depois as estratégias das equipes: durante o trekking era vetado o uso da rodovia.

Largada dada no Abba Hotel, localizado às margens da PE-49, todos os competidores seguiram rumo ao primeiro ponto de controle (PC), localizado próximo a uma das das rodovias. E aqui mais uma diferença da Trekfit fica pela dificuldade de localizar os PCs, onde o conhecimento por navegação e leitura de mapa fica ainda mais evidente e necessário para que seja completada a prova. Diferentemente das etapas da Trekfit e até mesmo da Mini Aventura da Extremos, no qual os PCs ficam situadas em locais de fácil visibilidade e obviamente a proposta é bem diferente, buscando atrair novos adeptos, na Odisseia é necessário um esforço maior para localizar os PC’s e seguir para o próximo em menor tempo possível.

Localizado o segundo PC, seguimos em frente para realizar a transição do trekking para a travessia ao nado, com aproximadamente 400 metros separando um ponto ao outro. Foi bacana, me mostrando inclusive a necessidade de melhorar o nado (tá tudo registrado! 😅). Mesmo com a roupa e o tênis molhado, seguimos correndo em busca de mais dois PC’s antes de realizarmos uma nova transição, desta vez para o mountain bike com pelo menos mais 15 quilômetros de pedal até o fim da prova! Isso evidentemente pra quem como nós participamos da pista de 25 km, pois pra turma dos 60 km ainda tinha a transição para canoagem (local onde ficaram as bikes) e muito chão pela frente. A equipe Direction Adventure terminou a prova principal com um tempo de 13 horas, terminando tudo lá por volta das 20 horas!

E pelo menos pra gente que neste ano mergulhou a fundo neste lance de cross run, trekkings, corridas orientação e aventura, a Odisseia nos fez fechar o ano com a cereja do bolo. O que posso dizer é que as corrida de aventura vão além da competição e nos apresentam sem qualquer cerimônia experiências e valores que nos seguem para toda uma vida. E depois de várias horas chegar ao fim da prova e completá-la é uma vitória, com uma descarga descomunal e contagiante de alegria quando se cruza o pórtico de chegada, nos mostrando que somos capazes de ir muito mais longe.

Sem sombra de dúvidas 2017 para o Pernambuco Running foi um ano mágico e repleto de histórias pra vida toda e isso foi graças a conhecer uns mitos no esporte como Jovaldo Bastos e Sergio Bandeira (Odisseia), Jairo Marques e Renato Borges (Direction Adventure), Mauricio Cabral (Extremos Aventura), e a toda a turma dos Papaléguas Runners. E sem esquecer também da minha mestre e navegadora Lídia Mota, que nesta Odisséia me deu a oportunidade de dividir o dia e aprender bastante com ela. São pessoas que fizeram meu 2017 inesquecível e que me motivam a fazer um 2018 ainda melhor e com novas histórias e aventuras.

Organização
Percurso
Preço
Avaliação

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here